Apesar das restrições olímpicas, o Porto do Rio está funcionando muito bem
 

02/08/2016

 

Foto: Agência Brasil - EBC

 

A Cidade do Rio de Janeiro está passando por um momento único. Os legados dos jogos olímpicos não se restringem apenas às obras de mobilidade urbana e diversas melhorias feitas na cidade. As Olimpíadas também estão deixando um grande legado para a atividade portuária da cidade, com a aproximação da Prefeitura e da sociedade com o Porto, seja por meio da Empresa Olímpica Municipal, seja por meio da Secretaria Executiva de Governo e do próprio Prefeito Eduardo Paes. Prova disso, foi a recente criação da Comissão Permanente para Assuntos Portuários da Prefeitura do Rio de Janeiro (CPAP-Rio), por meio do Decreto Rio nº. 41.929, de 30 de junho de 2016. Hoje, pouquíssimos portos no Brasil possuem uma Comissão de elevadíssimo nível técnico como esta, cujo trabalho, além de atrair investimentos e consequentes melhorias para a cidade e o seu porto, poderá resultar na criação de uma Secretaria específica para a atividade.

 

Sim, é verdade que os jogos olímpicos mudam algumas rotinas, alteram horários, mas, especificamente no caso do Porto do Rio de Janeiro, desde o inicio das restrições dos acessos terrestres e aquaviários, nenhuma reclamação foi registrada.

 

Ao longo dos últimos meses, a Associação dos Usuários dos Portos do Rio de Janeiro (USUPORT-RJ), junto com diversas e importantíssimas instituições, tais como: Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ), Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRIO), Federação do Transporte de Cargas do Estado do Rio de Janeiro (FETRANSCARGA), Sindicato das Empresas do Transporte Rodoviário de Cargas e Logistica do Rio de Janeiro (SINDICARGA), Sindicato dos Operadores Portuários do Estado do Rio de Janeiro (SINDOPERJ), Sindicato das Agências de Navegação Marítima e Atividades Afins do Estado do Rio de Janeiro (SINDARIO), dentre outras, participou ativamente de diversas reuniões plenárias e específicas para tratar da logística de acesso terrestre ao Porto do Rio de Janeiro. Foi um trabalho muito bem feito por todos, defendendo a atividade portuária, porém, sendo razoável o suficiente para entender que, de alguma forma, restrições na Avenida Brasil para circulação de caminhões nos horários de pico seriam necessárias.

 

A Empresa Olímpica Municipal criou um comitê de crise voltado para logística, por meio de um grupo no aplicativo “Telegram”, justamente para eventualidades e emergências que possam surgir. A USUPORT-RJ, assim como diversas instituições, faz parte deste comitê. Além disso, o Diretor-presidente da Associação, que também preside a CPAP-Rio pode, no âmbito da Comissão, contatar diretamente a Prefeitura.  A USUPORT-RJ coloca-se como opção de apoio aos usuários e demais players do porto através do telefone de seu Diretor-presidente André de Seixas (21) 99930-2089, também com o uso dos aplicativos “Telegram” e “WhatsApp”.

 

Todo o trabalho feito pela USUPORT-RJ e demais entidades que participaram das reuniões com a Empresa Olímpica Municipal, tiveram o objetivo de manter os portos do Rio de Janeiro e Itaguaí (que, de certa forma também é afetado pela restrição da Avenida Brasil) funcionando bem, de forma que o equilíbrio fosse mantido e não houvesse concentração de cargas. Isso porque, em 2013, tivemos terminais operando mais cargas do que poderiam, entrando em colapso operacional, uma péssima experiência, que custou muito caro aos importadores e exportadores e aos transportadores rodoviários. A USUPORT-RJ e as outras instituições zelaram para que, mesmo no período olímpico, os usuários mantivessem suas opções de escolha de terminal de contêineres.

 

É necessário destacar que foi realizado pela CDRJ, junto com os terminais Libra-Rio MultiRio, Multicar e Triunfo, um grande planejamento interno, com flexibilização e reorganização de horários e  janelas de entregas e coletas de cargas e contêineres, assim como a acomodação de caminhões dentro do porto por conta das restrições da Avenida Brasil. Os terminais tem mantido contato com a USUPORT-RJ, sempre perguntando se existe algum tipo de reclamação dos usuários. Até o momento, nada foi registrado e o porto está funcionando muito bem. Além disso, o Porto do Rio de Janeiro funciona 24 horas. Também é importante destacar que os operadores portuários do Porto do Rio estão de prontidão para garantir aos usuários e seus prestadores de serviços normalidade nas suas operações. 

 

Em relação às restrições dos acessos aquaviários, até o momento nenhum problema foi registrado. A Capitania dos Portos e a Praticagem do Rio de Janeiro, um dos mais importantes players do porto, estão desempenhando um grande trabalho para garantir as entradas e saídas dos navios no porto. Em 2015, junto com o SINDOPERJ e CDRJ, a USUPORT-RJ participou de negociações sobre as restrições dos acessos aquaviários junto ao Comitê Rio 2016 e a Federação Internacional de Velas. Vale salientar que nos anos de 2014 e 2015 foram realizados dois eventos testes e nenhum problema foi registrado.

 

Informações Adicionais:

 

Restrições da Avenida Brasil – de 18 de julho a 18 de setembro – 63 dias, restando 48 dias. Os caminhões poderão circular na via de 10h00 as 17h00 e das 21h00 as 06h00 da manhã (fora dos horários de pico, com o porto funcionando 24 horas). Restrição de 06h00 as 10h00 e de 17h00 as 21h00 (horários de pico).

 

Leia o DECRETO RIO Nº. 41867 DE 21 DE JUNHO DE 2016, que dispõe sobre medidas a serem adotadas no período dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 e; o . DECRETO RIO Nº. 41.940 DE 1º DE JULHO DE 2016. que altera a redação do Decreto Rio nº 41.867,de 21 de junho de 2016. Clique aqui para ler o comunicado do Capitão dos Portos sobre as restrições da Baía da Guanabara.

 

 

Atenciosamente,

Diretoria

Associação dos Usuários dos Portos do Rio de Janeiro - USUPORT-RJ